Comunicado da Direção da Federação Portuguesa de Rugby

Abril 24, 2019


Como é do conhecimento geral, no jogo do CN2 realizado no passado dia 6 de Janeiro de 2019, entre o Belas Rugby Clube e o Clube de Rugby do Técnico, este último clube fez alinhar um jogador que, além de estar a cumprir uma sanção de suspensão, jogou com identidade falsa, o que levou o Conselho de Disciplina a sancionar o mesmo, com 11 semanas de suspensão e a desclassificar a equipa (Boletim Informativo n.º 24, de 15/02/2019).


Em sede de recurso, decidiu o Conselho de Justiça revogar a decisão, pelo facto de o Belas Rugby Clube ter deixado esgotar quer o prazo previsto no Regulamento de Disciplina para apresentação de protesto, quer o prazo para fazer uma participação ao Conselho de Disciplina para que, em sede de inquérito, se apurassem os factos (Boletim Informativo n.º 31, de 29/03/2019).

Após a publicação desta decisão, não quis a Comissão de Gestão da Federação Portuguesa de Rugby, ou não procurou, resolver atempadamente a situação, como seria recomendável, nomeadamente contactando os clubes envolvidos na competição em causa para, no interesse coletivo, se procurar uma solução para a rápida realização dos jogos em que o Clube de Rugby do Técnico deverá participar.


A Direção da Federação Portuguesa de Rugby, ao iniciar as suas funções, confrontada com o problema e tendo presentes os interesses e expectativas de todos os clubes decidiu, no exercício das suas competências de gestão e supervisão das competições desportivas, pela realização dos seis (6) jogos em causa no período que decorre entre 24 de Abril e 22 de Maio de 2019 para que, o mais rapidamente, se possam realizar as meias-finais e o apuramento do vencedor do CN2. Conta, para o efeito, com a cooperação, a compreensão e o espírito desportivo das equipas envolvidas.


A Direção da Federação Portuguesa de Rugby quer aproveitar esta ocasião para repudiar ocorrências desta natureza que, além de configurarem responsabilidade criminal e disciplinar é violadora da verdade desportiva e contrária aos valores da sã competição, lealdade e transparência.

Considerando que não basta apregoar os valores do rugby mas, sobretudo, preservá-los e pôr tais valores em prática, a Direção da Federação Portuguesa de Rugby não pactuará com este tipo de condutas dos agentes desportivos e tudo fará para que não tornem a ocorrer no futuro.


Uma palavra de apreço e de estímulo para os clubes - Escolinha de Rugby da Galiza, Rugby Clube de Elvas, Rugby Clube de Loulé, Braga Rugby e Moita Rugby Clube da Bairrada - que, involuntariamente, se vêm envolvidos numa situação a que são totalmente alheios.



A Direção,


Lisboa, 23 de Abril de 2019

share on entry