Comunicado do Conselho de Arbitragem

Maio 09, 2018

De: Conselho de Arbitragem                                                               03 de Maio de 2018

 

                                                        Comunicado

 

Tendo em conta a situação anormal que ocorre no rugby português e considerando que a arbitragem é uma parte envolvida nas perturbações que afetam o bom desenrolar das competições, vimos apresentar aos clubes, um conjunto de esclarecimentos relacionados com os motivos que levam ou levaram à indisponibilidade quase total dos árbitros no fim de semana passado.

As divergências entre a Direção da FPR e o colégio de árbitros representados pela A.N.A.R. (Associação Nacional de Árbitros de Rugby), já foram evidentes durante a época passada, por não existir acordo na questão dos pagamentos de prémios e despesas e também noutras condições, tais como nas áreas da supervisão, acompanhamento e formação aos árbitros. Embora com dificuldade, no final da época 2016/2017 chegaram a um entendimento sobre algumas questões e no qual o Conselho de Arbitragem esteve envolvido, tendo sido estabelecidos compromissos para o futuro. Este ano iniciou-se com relativa normalidade não havendo dificuldades na nomeação dos árbitros, apesar das limitações existentes.

Durante uma reunião entre a Direção da FPR, Conselho de Arbitragem e Associação de Árbitros (ANAR) no dia 06 de Fevereiro 2018, foi comunicada a decisão da Direção da FPR, de que iriam deixar de ser pagos os prémios de arbitragem referentes a 2018 ( incluindo o mês de Janeiro anterior) e que o montante disponível para a arbitragem para todo esse ano, ficava estabelecido em 50.000 €uros, o que eventualmente cobriria apenas o valor total das despesas. Se considerarmos o valor do orçamento anual da FPR, esta verba representa mais ou menos 2,5% do mesmo.

 Na ocasião, esta decisão mereceu o desacordo tanto da ANAR como do Conselho de Arbitragem, por se adivinharem reações menos favoráveis por parte dos árbitros, no caso de a mesma se vir a confirmar.

No seguimento da referida reunião não houve formalização da medida adotada, uma vez que a mesma iria ser apresentada mais tarde aos delegados dos clubes durante a última Assembleia Geral de 10 de Abril 2018, esperando os árbitros que aquela decisão sofresse alguma alteração ou mesmo não fosse aprovada.

A medida apresentada não foi recusada pelos clubes representados na Assembleia e consequentemente a Direção da FPR poderia dar continuidade ao não pagamento de prémios que já ocorria desde Janeiro 2018.

A partir do momento em que os árbitros tomaram conhecimento desta situação, iniciaram um processo de indisponibilidade para arbitrar nos fins de semana de 14/15, 21/22 e 28/29 de Abril.

Após a Assembleia Geral, o Conselho de Arbitragem prevendo, que devido à decisão tomada, poderia vir a acontecer uma tomada de posição dos árbitros sob a forma de indisponibilidade,  informou a Direção da Fpr de que poderia vir a ter dificuldades nas nomeações, o que aliás se viria a confirmar.

De facto, no último fim de semana  28/29/04, a indisponibilidade apresentou-se quase total, o que nos impossibilitou de proceder a nomeações adequadas, em particular para os jogos de elevada importância competitiva que estavam marcados.

 

Apercebendo-se desta situação, durante o dia de 5ª Feira 26/04, a Direção da FPR informou o Conselho de Arbitragem e a ANAR, de que alterava a decisão da medida adotada e apresentou um plano de pagamentos dos prémios e despesas cuja liquidação total era assegurada até ao final desta época.

Esta alteração foi imediatamente comunicada pelo C.A. a todos os árbitros e ficámos na expetativa de que pudesse haver alguma alteração nas posições de indisponibilidade da parte daqueles. Assim não aconteceu, porque também no curto espaço de tempo entre esta comunicação e o fim de semana dos jogos, não ajudou muito a novas decisões da parte dos árbitros.

Associada a esta questão da falta dos árbitros, somos obrigados a esclarecer que as ausências dos árbitros internacionais Paulo Duarte, Pedro Mendes Silva e Afonso Nogueira se deveram a nomeações feitas pela World Rugby e Rugby Europe e que nos chegaram com alguns meses de antecedência. Estas nomeações são da exclusiva responsabilidade daquelas entidades e não geridas pelo Conselho de Arbitragem da FPR, como foi ventilado em termos de comentário critico, durante o fim de semana passado, por algumas personalidades do rugby português. 

O Conselho de Arbitragem continuará a fazer tudo o que estiver ao seu alcance para que seja devolvida a melhor normalidade à atividade da arbitragem, para garantia do bom desenrolar das competições.  

Lamentamos as ocorrências desagradáveis e negativas para o Rugby português que aconteceram no passado fim de semana e esperamos que apenas se tratasse de uma exceção à regra que não se voltará a repetir.

 

03 de Maio 2018

 

Conselho de Arbitragem

Jorge Mendes Silva

Alvaro Santos

João Luis Silva e Cunha

 

 

 

share on entry